Mídia

Alergoshop: pioneira em produtos antialérgicos no país

A Alergoshop foi assunto no site Mulher Empreendedora.

 

Leia a matéria completa aqui.


Dizem que a necessidade faz a oportunidade. No caso das irmãs Sarah e Julinha Lazaretti, sócias da Alergoshop, empresa especializada em produtos para pessoas alérgicas, a frase realmente é verdadeira. Batemos um papo com a Sarah sobre o nascimento desta empresa, pioneira no setor. Aqui ela nos conta como enxergou na dificuldade um nicho promissor e tornou-se uma empreendedora realizada.   

 


Como surgiu a ideia da Alergoshop? 

A Alergoshop nasceu de uma necessidade própria. Minha filha Marina, desde muito pequena apresentou asma e dermatite atópica. Eu vivia levando-a aos médicos que indicavam uso de capas anti-ácaro, produtos de higiene pessoal e pra casa que fossem hipoalergênicos, mas era super difícil encontrá-los! Então, um dia, conversando com minha irmã Julinha sobre as dificuldades que eu tinha, ela que é bióloga e na época fazia pós-graduação em imunologia, comentou que os médicos  também tinham  dificuldade em indicar os produtos aos pacientes exatamente por não ter onde adquiri-los. Assim surgiu a ideia de abrirmos uma loja com produtos para os vários tipos de alergias.

 

O que você fazia até então?

Havia me formado em enfermagem e na época eu dava plantão em hospital como enfermeira obstetra.

 

Como foi o início da empresa?  

Nós tínhamos certeza que assim como eu, muitas outras mães ou alérgicos sentiam a mesma necessidade!  Seria algo inédito no Brasil, tão desafiador, quanto promissor. Fomos completamente arrojadas!  Na época eu trabalhava em dois empregos, tinha a Marina com 5 anos, estava grávida do meu segundo filho (alérgico também). Para começarmos, a Julinha foi para os EUA e trouxe vários produtos, com os quais abrimos a loja, uma casa minúscula na zona oeste de SP. Nós entramos com tanta vontade e certeza que daria certo, que não me lembro do sentimento de medo. Nosso maior desafio, por outro lado, era criar uma cultura nas pessoas de que era possível minimizar os incômodos das alergias, com produtos e o controle ambiental. Além disso, precisávamos nos tornar conhecidas, dizer para as pessoas onde estávamos.

 

Você tinha experiência ou interesse por comércio, imaginava se tornar uma empreendedora?

Sempre gostei de comércio. Na época da faculdade eu  enchia o porta-malas do carro e vendia enxoval para minhas amigas e professoras. Imagina, na faculdade de enfermagem o que não faltava era cliente. Depois, já casada tive confecção por 4 anos e fechei.

 

Quais os maiores obstáculos que você encontrou? 

Vários! Tempo era um deles. Com dois filhos pequenos e dois empregos, ia ao escritório dia sim, dia não, de acordo com os plantões. A Julinha, que na época era solteira, ia diariamente, o que foi muito importante.  Quando a empresa completou 18 meses eu consegui ficar somente na Alergoshop, o que foi uma etapa vencida.  Outro desafio era aprender a comprar, negociar, conhecer fornecedores, entender de nota fiscal, contador, funcionários e tudo que envolve um negócio. Éramos apenas nós duas, com pouco capital e sem base teórica de administração. Superamos com nosso bom senso, persistência e vontade de dar certo. E nunca pensamos em desistir! É claro que tivemos dificuldades, assim como todo empreendedor, mas entendíamos que fazia parte do processo superá-las uma a uma, e fomos em frente. Nosso pai foi empresário e crescemos ouvindo os sucessos e dificuldade de um empreender.

 

Quais estratégias deram melhor resultado nesta trajetória da Alergoshop? 

Desenvolver nossos próprios produtos, frequentar congressos médicos, vender pra lojas multimarcas para nos dar condições de fabricar produtos, ter lojas próprias que nos permitiram e permitem conhecer o que os clientes querem. Tudo isto nos trouxe  conhecimento para formatarmos nossa rede de franquias.

 

Quais caminhos foram deixados de lado na historia da empresa? 

O licenciamento, que foi um embrião de franquias, onde as lojas podiam usar nossa marca. Isto foi logo no início e nos ajudou a alavancar as vendas, mas não tínhamos como supervisionar estes estabelecimentos, nem contrato que nos assegurasse que estariam trabalhando da forma como achávamos correto. Diante disso, decidimos continuar vendendo para lojas multimarcas e não licenciar as lojas Alergoshop.

 

A Alergoshop tem mais de 20 anos. Quais estratégias vocês vêm adotando para se manter num mercado em constante inovação?

Mantemos o foco no nosso nicho, no desenvolvimento de produtos de qualidade, com excelência no atendimento e profissionalismo.

 

Qual o impacto da adoção do sistema de franquias para a marca?

Fizemos uma reestruturação grande dentro da empresa para nos prepararmos para a abertura de franquias, como mudança de sistema de gestão, consultorias, cursos na ABF, investimento em espaço para estoques e logística. Assim, já estamos  formando a rede de lojas que propiciará  a disseminação da marca rapidamente. Adotamos o sistema de franquia em 2012 e hoje contamos com  10 franquias e 4 lojas próprias.

 

Na sua visão, qual foi o “segredo do sucesso” da Alergoshop?

Apostar em um nicho de mercado novo e promissor, já que 30% da população sofre de algum tipo de alergia, e esta proporção deve chegar a 50% daqui a duas ou três décadas. Além disso, trabalhamos com muito comprometimento, transparência e profissionalismo.

 

De que forma ser pioneira neste segmento de produtos antialérgicos ajuda no posicionamento da marca?

Somos  referência neste mercado,  ganhamos o respeito da classe médica pelo trabalho que  realizamos, e a mídia sempre nos procura quando o assunto é alergia. Isso contribuiu e contribui para que a Alergoshop se torne cada vez mais conhecida do grande público.

 

Quais seus planos para o futuro?  

Pretendemos exportar e abrir uma  fábrica própria para produção dos cosméticos antialérgicos.

 

Para saber mais:

Alergoshop: www.alergoshop.com.br

O que faz: empresa especializada em produtos para pessoas alérgicas 

Sócio(s): 2 

Funcionários: 30

Sede: Rua Cerro Corá, 2052.

Início das atividades: Outubro de 1993

Investimento inicial: R$ 30.000,00

Comentários

Mais Notícias